Eliane Novais quer levar à Corte Internacional denúncias contra cruzeiros

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa discutiu, na última segunda-feira [31], no Auditório Murilo Aguiar, os casos de violação de direitos humanos dentro de cruzeiros internacionais. 

Os trabalhos foram presididos pela deputada Eliane Novais [PSB], propositora do debate, e contaram também com a participação da deputada Fernanda Pessoa [PR].

Eliane justificou que o Colegiado recebeu denúncias de casos de violência, escravidão, prisões e até morte de pessoas que trabalham em cruzeiros internacionais. “Iremos encaminhar as denúncias e provas para a Corte Internacional de Direitos Humanos para que seja feita uma rigorosa apuração do que realmente acontece nesses cruzeiros”, disse a deputada. 

Segundo ela, há denúncias de que quando esses trabalhadores adoecem são largados no porto onde o barco atracar, sem nenhum tipo de ajuda, nem mesmo para voltar ao país de origem. “Temos a obrigação de apurar para que outras pessoas não sejam iludidas”, comentou. A empresa foi convidada para a audiência, mas não mandou nenhum representante. Alegou que seria responsável apenas pelo treinamento da mão de obra.

Há casos em todo o Brasil. Rosângela Bandeira, presidente da Organização das Vítimas de Cruzeiros [OCV], relatou o episódio no qual foi vítima a filha dela, Camila Peixoto Bandeira. Segundo Rosângela, sua filha foi morta após sucessivos espancamentos pelo namorado, também tripulante do navio, mas a companhia teria simulado o suicídio da garota. 

O cearense Márcio Freitas era estagiário de Direito quando, encantado com um anúncio, decidiu concorrer a uma vaga para trabalhar em cruzeiros.  Achava que iria ter uma jornada de 11 horas diárias como “buffet-boy”. Mas encontrou uma realidade bem diferente. 

“Trabalhava de 16 a 18 horas por dia, por nove meses corridos”, disse. Segundo ele, as pessoas recrutadas para o trabalho nos navios, além de terem seus direitos trabalhistas violados, são agredidas e submetidas a situações como tráfico de drogas, assédio moral e sexual.

Participaram também da audiência representantes da Polícia Federal, da Delegacia do Trabalho e da Arquidiocese de Fortaleza. 


* Com informações da Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
Publique no Google Plus

Publicado por Jornalismo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Comentar no Site
    Comentar usando o Facebook

0 comentários :