Produtores e realizadores debatem ampliação de recursos no Edital de Cinema e Vídeo da Secult-CE

Em reunião na Secretaria da Cultura do Estado [Secult-CE], realizada na última quinta-feira [27], produtores e realizadores da área de audiovisual redefiniram valores e quantidade de projetos do Edital Ceará de Cinema e Vídeo, na categoria produção, especificamente nas modalidades de longa-metragem [ficção, documentário e animação] e projetos para televisão. 

As alterações serão submetidas pela Secult como propostas à Agência Nacional do Cinema [Ancine], que sinalizou positivamente ao pedido da Secretaria para contar com recursos federais para essas duas modalidades do Edital. 

A confirmação desses recursos elevaria o valor do Edital Ceará de Cinema e Vídeo de R$ 4.450.000,00 [investimento já garantido com recursos próprios do Governo do Estado] para pelo menos R$ 7.660.000,00.

As propostas serão apresentadas pela Secult para apreciação da Ancine no próximo dia 10 de março. A expectativa é que o Edital seja disponibilizado para consulta e inscrições até 20 de março. Com o aporte de recursos da Ancine, os valores da modalidade de longa-metragem passariam de R$ 1.177.000,00 para no mínimo R$ 3.531.000,00. E, na modalidade de projetos para televisão, subiriam de R$ 428.000,00 para pelo menos R$ 1.284.000,00.

Com essa previsão de investimentos, os produtores e realizadores reunidos no Auditório da Secult nesta quinta-feira propuseram que o Edital ofereça a possibilidade de inscrição de no mínimo quatro projetos de longa-metragem, de até R$ 882.000,00 cada, e de 10 projetos para televisão, de até R$ 128.400,00 cada. A proposta anterior do Edital previa dois projetos de longa-metragem de até R$ 588.500,00 cada e quatro projetos para televisão de até R$ 107.000,00 cada.

Como a legislação estadual exige uma destinação de recursos para projetos inscritos como oriundos do Interior e da Região Metropolitana igual aos valores investidos em projetos apresentados por proponentes da capital, o secretário executivo da Secult, Paulo Victor Feitosa, explicou que os recursos migram para Fortaleza, caso não seja apresentada demanda dos outros municípios, suficiente para receber todo o investimento (50%) destinado a eles.

APOIO Além das modalidades de longa-metragem e projetos para a televisão, o Edital Ceará de Cinema e Vídeo 2014 vai apoiar, dentro da categoria de produção, também o desenvolvimento de roteiro de longa-metragem, abrindo inscrições para dois projetos de até R$ 21.400,00 cada, totalizando R$ 42.800,00; 10 projetos de curta-metragem de até R$ 85.600,00 cada, totalizando R$ 856.000,00, além de oito projetos de novas mídias de até R$ 14.275,00 cada, a um valor total de R$ 114.200,00. 

O secretário executivo Paulo Victor Feitosa ressaltou que a Ancine não está investindo nas outras categorias, além de longa-metragem e projetos para televisão, porque compreende que elas devem ser apoiadas pelas próprias prefeituras e pelo Governo do Estado.

O Edital Ceará de Cinema e Vídeo também terá investimentos, com recursos próprios do Fundo Estadual de Cultura [FEC], em projetos de outras duas categorias. Para o desenvolvimento do cineclubismo serão destinados R$ 662.000,00, abrindo-se inscrições para 20 projetos de criação ou manutenção de cineclubes, cada um de até R$ 33.100,00. 

Na categoria de formação em audiovisual, o investimento total será de R$ 856.000,00, para quatro projetos de cursos técnico-profissionalizantes, cada um de até R$ 214.000,00. O Edital também destinará R$ 214.000,00, para quatro projetos, de até R$ 53.500,00 cada, de eventos de formação em audiovisual, e R$ 100.000,00 para dois projetos de até R$ 50.000,00 cada, que atendem a exibidores e cineclubistas.

CRITÉRIOS Os produtores e realizadores que participaram da reunião na Secult também assumiram o compromisso de encaminhar, até o dia 10 de março, propostas com novos critérios para seleção de projetos pela Secretaria e para a finalização de projetos pelos proponentes. 

O objetivo da Secult é envolver os interessados na criação de regras mais claras para um processo mais transparente e que evitem problemas na execução e na prestação de contas, estabelecendo inclusive um prazo mínimo para a conclusão dos projetos e a devida comprovação do trabalho realizado.

“Ao concorrer com um projeto de longa, a pessoa deve apresentar demanda e qualificação comprovada, seguindo inclusive o critério da Ancine, de que tenha algum filme exibido em algum lugar, mesmo que seja um curta”, sugeriu, por exemplo, o cineasta Marcus Moura. O secretário executivo da Secult, Paulo Victor Feitosa, concordou com a argumentação, mas ponderou que os critérios de seleção não devem se restringir à questão da experiência, devendo também levar em conta a possibilidade de projetos de qualidade serem apresentados por novos realizadores.

Entre outros encaminhamentos, os produtores e realizadores destacaram a importância da escolha de pareceristas qualificados tecnicamente para cada tipo de categoria e modalidade. O secretário executivo da Secult adiantou que o grupo de avaliadores seria formado pela Ancine, assegurada à Secult a indicação de dois nomes.


* Com informações da Secult-CE
Publique no Google Plus

Publicado por Jornalismo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Comentar no Site
    Comentar usando o Facebook

0 comentários :