Falsidade

É lamentável que a cada dia precisemos tomar mais cuidado com as pessoas que nos cercam. Isso porque confiamos e nos decepcionamos com velocidade impressionante. 

Partilhamos nossos segredos, nossas intimidades, nossa vida... crentes de que somos acolhidos, compreendidos, aceitos e estimados. Mal viramos as costas e essa pessoa divide nossas particularidades com outro alguém. 

Depois, fica difícil saber quem disse o quê, mas o erro partiu daquele que abriu a boca primeiro. É por isso que muitos preferem desabafar com profissionais de ajuda, alicerçados na segurança que o sigilo pode lhes proporcionar. Pensamos que temos amigos, mas na verdade...

Às vezes, a necessidade de fazer o outro igual a nós impulsiona a conduta desonrosa. Denegrindo a imagem do outro pensamos aproximá-lo mais de nós, principalmente se somos mal afamados ou inconsequentes. 

É mais fácil sujar o lençol do vizinho que branquear o nosso, ainda mais se ele já está encardido. Difícil encontrar quem deseje promover o próximo com elogios e recomendações. É mais fácil depreciá-lo, pois assim temos a sensação de enaltecimento próprio.

Tudo isso é muito feio e amplamente praticado em nosso meio. Valorizar as qualidades do outro parece ser concordar com a diminuição de si mesmo. Ledo engano. Apenas pessoas seguras e confiantes conseguem reconhecer a grandeza do outro. Pessoas medíocres temem elogiar e invejam a postura de pessoas sabidamente valorosas.

Um dia a casa cai e a pessoa inocente percebe que foi ludibriada, enganada, iludida por falsas amizades. Quem perde mais é quem traiu a confiança, pois perde um verdadeiro amigo e, sejamos francos, amigo verdadeiro não se encontra em qualquer esquina. A pessoa vai sentir falta da atenção, do tempo dispensado, do carinho...

Pra ser feliz nas amizades é preciso ser bom ouvinte e, acima de tudo, saber guardar segredos. Intimidades espalhadas ao vento não são mais segredos. A gente costuma pagar caro por ter a língua comprida e a mente estreita. Inverte valores. Supervaloriza a fofoca e se descuida do principal. Depois não adianta querer juntar cacos, pois mesmo colando, a emenda vai sempre lembrar que houve a ruptura.

Cicatrizes podem servir para aprimorar relacionamentos, mas nem todas. Algumas se prestam apenas para lembrar que não se deve mais deixar iludir. É triste perder um amigo? É triste sim, e muito; mas mais triste é confiar em quem não merece. A vida ensina. A vida mostra. A vida traz novos amigos e leva aqueles que já não podem ser.

Não digo que é maldade. Por vezes, talvez seja apenas descuido, mas de qualquer forma, tem as suas consequências. Deixar de valorizar quem nos quer bem é um grande descuido, quase imperdoável, e pode ser claramente sentido quando a pessoa se vai. A boca emudece. O olhar se apaga. Os ouvidos se fecham. A falsidade é um dano e ponto.


* Texto escrito e enviado pela escritora Maria Regina Canhos [E-mail: contato@mariaregina.com.br e site: www.mariaregina.com.br].
Publique no Google Plus

Publicado por Jornalismo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Comentar no Site
    Comentar usando o Facebook

0 comentários :