Minha querida Cidade Aurora!!! 130 anos!!!

Na linha tracejada do tempo, ainda no caldo quente, de uma história que mais parece uma estória, entrar num buraco negro na busca da ficção para encontrar a realidade, ou buscar a realidade para achar a ficção, de meus ancestrais seja na tenacidade dos Marinhos, ou na obra magnífica da arte dos falcão está lá timbrada, viva, graciosa, a deixar na flor do tempo a marca de sua pisada, em cada pétala o cheio, o aroma forte de uma verdadeira obra da pura criação.

Reino cantado em verso em prosa de Virgulino Lampião, dos mistérios da Massalina, a beleza do Pavão, a bailarina está lá dançando no Picadeiro, o nosso Alcimar Monteiro jorra na sua canção.

Em nova Friburgo  tem Nêgo Simplício num jardim da criação são obras vivas que brotam da força de suas mãos, vou até a ingazeiras, na beleza de nossa feira, visitar o meu jardim ver o nosso Aldemir Martins, nas aquarelas tão belas entro  logo na capela e faço a minha oração.

Vou para casa e ligo a televisão, tão aflita e tão nervosa, tão ingênua e preciosa a minha querida Aurora dando a sua lição de como administrar uma cidade, um estado, um pais, uma nação.

É realidade dos sonhos, ou os sonhos de uma realidade em projeção será a tenacidade dos Marinhos ou a obra de arte dos falcão.

Aurora sempre virtual, pois sua história foi e será sempre um folheto de cordel, do Rio Salgado que é doce e de sua terra que brota leite e mel.

O terra púrpura de lagos verdejantes, nascida e crescida no mistério, já foi senhora, terra de minério, agora nascer do sol, amanhã outra justificação para um nome desta cidade linda e Bela, Amarílio que amou deixou o seu legado, João Tavares calixto  pontuou na linha do tempo, deixou sua semente em um lindo pomar plantada, Jean Tavares que em tudo resumiu um mundo novo abriu, no  seu cordel encantado.

A Secretaria de Cultura de Aurora todo dia pinta um quadro de sua história, está  lá o seu guardião o José Cícero de Aurora, todo dia uma exposição, um quadro novo que aparece, ninguém nunca esquece um detalhe que passou, a ponte que liga Aurora ninguém sabe precisar o ano que começou, parece coisa de Menino ou de um Monge Beneditino que sabe no tablado da existência colocar o seu encaixe, não tem nenhum disfarce, mas nem mesmo um mágico consegue tal proeza, um rio uma beleza, um cartão postal  natural, tem a Última Ceia, tem a Mártir Francisca, a nossa santa popular, tem filhos ilustres para na constelação do Brasil uma estrela brilhar.

Tem cultura, tem xaxado e tem baião é uma cidade que cresce em seqüência de ótimas administrações, tem identidade social, tem cultura determinada, literatura bem pensada, tem ciência viva, tem a lógica da ficção, tem uma história bem criada com datas convincentes, tem poesia e tem repente, tem um povo acolhedor,  que busca sempre uma história, que vai para os anais, que nem precisa ser checado, pois é sempre um recado de uma grande combinação, do mundo mágico da existência, a uma obra de arte de pura criação, assim caro leitor com muita humildade lhe peço  é mais fácil entender o universo do que a minha cidade Aurora em Projeção.


* Texto escrito e enviado por Luiz Domingos de Luna - Professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Aurora, Ceará [E-mail: falcaodouradoarte@hotmail.com].
Publique no Google Plus

Publicado por Jornalismo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Comentar no Site
    Comentar usando o Facebook

0 comentários :