Renda familiar cearense cresce 42,2% entre 2006/12, diz Ipece

A renda familiar per capita cearense cresceu 42,2%, em termos reais, entre 2006 a 2012. O décimo mais pobre da população do Estado detinha, em 2006, apenas 0,72% da renda agregada [per capita de R$ 26,92] e neste grupo a renda do trabalho representava 47,79% dos rendimentos auferidos. 

Já em 2012, a parcela que compõe o grupo mais pobre da população tinha 0,88% da renda total e per capita de R$ 47,07, enquanto a renda do trabalho significava 26,35% na participação total dentre todas as fontes de renda. E essa mudança ocorreu justamente em decorrência de repasses provenientes de programas sociais, sobretudo do Bolsa Família.

É o que constata o novo trabalho do Instituto de Pesquisa e estratégia Econômica do Ceará [Ipece] – o Ipece/Informe – O Bolsa Família e o Comportamento do Mercado de Trabalho Cearense [nº 67 – Novembro de 2013], que acaba de ser divulgado pelo Instituto - Órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão [Seplag] do Governo do Estado. O estudo, realizado a partir de dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios [PNDA] do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE], já pode ser acessado, na íntegra, na página www.ipece.ce.gov.br.

De acordo com o professor Flávio Ataliba, diretor geral do Ipece e coordenador do trabalho realizado pelos analistas Carlos Alberto Manso e Vitor Hugo Miro Couto Silva, o estabelecimento e a expansão do Programa Bolsa Família, nos últimos anos, promoveu uma mudança significativa na dinâmica da distribuição da renda e redução da pobreza em todo território nacional, especialmente nos Estados mais pobres da Federação. 

Além disso, as transferências sociais passaram a ter uma maior participação na renda das famílias mais pobres, tendo reduzido instantaneamente a importância de outras fontes, como é o caso dos rendimentos do trabalho. Vale observar que as valorizações contínuas do salário mínimo nos últimos anos e o peso das aposentadorias contribuíram para essa dinâmica.

O economista e analista Carlos Manso afirma que a participação dos rendimentos do trabalho nos décimos mais elevados se manteve elevada em 2012, mas perdeu importância relativa entre 2006 e 2012, com exceções das pessoas que se classificavam nos sexto e nono décimos da distribuição de renda. 

Os dados mostram a grande desigualdade existente entre esses estratos de renda. Ele observa, no entanto, que em 2006 a renda per capita entre os 10% mais pobres essa era de R$ 26,92, enquanto que para o grupo dos 10% mais ricos era de R$1.655,33. Isso mostra que a renda média dos 10% mais ricos representa 61 vezes a renda média dos 10% mais pobres. Condizente com a trajetória de redução da desigualdade, em 2012 a renda média do décimo mais rico [R$ 2.245,01] representa aproximadamente 48 vezes a renda média do décimo mais pobre [R$ 47,07].

Para Vitor Hugo Miro Couto Silva, as variações percentuais da renda e de seus componentes nesse período. Pode-se constatar que em termos relativos, os rendimentos do trabalho perderam participação na composição da renda com uma redução de aproximadamente 3,7% no período. Essa redução foi significante nos estratos de baixa renda, sendo a maior redução de quase 45% entre os 10% mais pobres. 

Ele chama atenção para a importância dos rendimentos transferidos pelo Programa Bolsa Família ganharam importância aumentando a sua participação relativa. “Os rendimentos de aposentadorias e pensões também apresentaram uma crescimento bastante significativos em alguns extratos da distribuição da renda, o que pode refletir diretamente a politica de concessão de benefícios e a dinâmica demográfica do período” – ressalta.

MERCADO De acordo com Carlos Manso, em 2012 houve um crescimento real dos rendimentos do trabalho per capita em todos os décimos de renda com exceção da parcela representada pelos 10% mais pobres. Essa evolução dos rendimentos do trabalho também pode ser vista em termos do aumento da remuneração/hora. 

Os rendimentos provenientes das aposentadorias e pensões e de outras fontes também mostram um crescimento muito forte no período e mais intenso nos oito primeiros décimos da distribuição. Já o rendimento per capita advindo de fontes previdenciárias teve um aumento de quase 164% entre os 10% mais pobres, enquanto que essa mesma medida advinda de outras fontes cresceu 157,5%, ambos em relação ao ano de 2006.

Já a taxa de ocupação aumentou em praticamente todos os estratos de renda refletindo o declínio do desemprego em períodos recentes, mas a taxa de participação mostrou um declínio entre os 80% da população que se encontra na base da distribuição da renda. No que tange à oferta de trabalho, também foi possível observar uma redução na média de horas semanais de trabalho, principalmente entre os 20 por cento mais pobres.

O professor Flávio Ataliba afirma que, ao analisar a dinâmica do mercado de trabalho, é possível perceber o aumento dos rendimentos do trabalho e da remuneração/hora. “Verificamos a redução do desemprego com o aumento da ocupação, mas também uma queda generalizada na taxa de participação e no número de horas de trabalho”. Essas mudanças, com um forte aumento dos rendimentos previdenciários e de outras fontes, como o Programa Bolsa Família, podem refletir um conjunto complexo de aspectos que vão de características demográficas às prioridades políticas do período.

Para concluir, ele diz que os avanços educacionais apresentados no Ceará e o crescimento de alguns setores da economia no período justificam o crescimento real dos salários e da produtividade em termos de remuneração/hora. Potencialmente, esses ganhos já justificariam reduções na oferta de trabalho, uma vez que os indivíduos teriam incentivos para se dedicar a outras atividades, sejam elas relacionadas à educação ou qualificação, ou mesmo se dedicando à família e a produção doméstica. Esses incentivos podem ainda ser amplificados se rendimentos provenientes de outras fontes também estão presentes.


* Com informações da Assessoria de Imprensa do Ipece
Publique no Google Plus

Publicado por Jornalismo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Comentar no Site
    Comentar usando o Facebook

0 comentários :