Icó, Ceará: Patrimônio de todos!

“Montes e Feitosas”, primeiros a penetrarem as terras da tribo dos Icós, guerrearam entre si e contra os habitantes naturais do solo icoense. 

Expulsaram os índios e se apoderaram das margens do Rio Salgado e da  soterrada Lagoa da Torre. Fundaram as primeiras habitações, as primeiras capelas, os primeiros sinais de urbanização.

Durante o ciclo do Couro e do Charque, portugueses e franceses fizeram grandes riquezas exportando os produtos do Icó para a Europa e construíram um gigantesco e monumental patrimônio arquitetônico genuinamente português com alguns traços  neo-franceses, dentro dos padrões do barroco e do colonialismo brasileiro.

Fazendas de gado se espalharam pelo interior e o caminho das boiadas fazia de Icó um forte empório comercial do interior nordestino. Comprávamos as boiadas do Piauí e Maranhão e vendíamos toda sorte de produtos importados de Portugal. A riqueza, o poder econômico e o poder político andavam de mãos dadas.

Passados trezentos anos ainda guardamos a forte presença de um tempo grandioso. Todavia, as marcas do modernismo indiscriminado, associadas ao desconhecimento e à falta de amor a terra mãe, tem causado danos irreparáveis à nossa história.

Os anos da história singraram por mares diversos e ainda sentimos o cheiro do couro de gado esticado nas esquinas do velho mercado, com destino certo, embarcado no porto de Aracati para o abastecimento do mercado europeu.

Hoje, os nossos historiadores e poetas como Altino Afonso, Getúlio Oliveira, Paulo Henrique, Luan Sarmento e alguns outros, sustentam, por amor à terra mãe, com a beleza do conhecimento, as marcas que esta grandiosa cidade tem deixado na estrada do tempo, tendo por testemunha os casarões que ainda insistem em resistir, como flor do mandacaru que teima em renascer, mesmo contrariando os ciclos escassos da natureza.

No dia em que se comemora o aniversário do Icó [CE], dia 25 de outubro, desejo, como filho deste chão, que dirigentes públicos e povo, olhem para esta cidade com a ternura e sensibilidade cultural devida(s), generosidade e bondade, com que os filhos observam sua mãe, certos de que: “quem ama, o bem deseja”.


* Text escrito e enviado pelo advogado Fabrício Moreira da Costa [Blog do Fabrício]
Publique no Google Plus

Publicado por Jornalismo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Comentar no Site
    Comentar usando o Facebook

0 comentários :